iA


Pavilhão Chinês

Este bar é recomendado pelo Lisboando!

[mappress mapid="42"]

Como chegar: metro (Baixa-Chiado, Restauradores, Avenida), elétrico 28
Morada:
Rua D. Pedro V 89/91
Preço: 3 a 10 Euros por pessoa
Horário: das 21:00 às 02:00

Um dos bares mais ecléticos de Lisboa… enfim, provavelmente do Mundo! Entre o Bairro Alto e o Príncipe Real, está situado numa das zonas mais movimentadas da noite lisboeta. É uma autêntica coleção de milhares de objetos distintos, expostos em várias salas! Jarras, capacetes da Primeira Guerra Mundial, soldadinhos de chumbo, aviões em miniatura, planetas pendurados no teto, peças únicas de Bordalo Pinheiro, cerâmicas variadas, posters antigos, espadas, bonecos articulados, imagens da Betty Boop, etc., etc, etc.! É realmente um museu convertido em bar, e a maioria dos turistas (e locais) afirmam que nunca viu nada igual!

As cinco salas foram decoradas pelo dono do estabelecimento e proprietário das peças, Luís Pinto Coelho. Este começou a sua coleção desde a sua adolescência, e quando abriu o bar (em 1986) decidiu usá-las como decoração.

O bar é mais caro do que o habitual em Lisboa mas vale muitíssimo a pena… é um lugar alucinante. Burlesco, de outro Mundo, bizarro, fantástico, etc., já se ouviu de tudo para qualificá-lo mas não há mesmo nada como uma visita. Os empregados exibem uma postura de seriedade (parte do conceito do bar, “à moda antiga”) mas o serviço é impecável e o tratamento cordial. É uma viagem no tempo. Os cocktails são bons e bem servidos, a partir de 7 Euros e também podes comer uma sanduíche/tosta (aproximadamente entre 4 e 6 Euros). Ah, mesmo que não vás pedir nada extravagante, folheia a carta à vontade; é por si uma obra de arte, muito bem ilustrada! Os sofás são muito cómodos e existem ainda duas mesas de bilhar (a 12 Euros por hora!).

O Pavilhão Chinês até foi cenário no vídeo de “Diabo no Corpo” do músico Pedro Abrunhosa na sua parceria com o Brasileiro Lenine! Este bar é mesmo para não perder!

-

Foto: Felix Albrecht